segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Tens saudades minhas?

Tens saudades minhas? É isso que o teu amor tem para dizer ao meu coração?

Então, diz-me. Porque te escondes por entre as teias da saudade? Para que dás asas ao tempo, para que eu não me lembre de ti?

Partes e fechas a porta atrás de ti. Não deixas que eu corra na tua direção. Não deixas rasto na estrada, para que eu te possa seguir. Não fazes sinais de fumo para que eu descubra onde estás.

Tens saudades minhas?

Então, porque não viras as costas ao mundo, que não te faz sorrir, para vires ao meu encontro? Deixa esse mundo que te prende e não te faz feliz. Deixa de viver amarrado ao tempo que não te permite voares.

Amar não é ter saudades. Amar é suicidar as saudades. Rasgar as lembranças. Apagar as memórias. Amar é pintar desejo na pele de quem amamos. É não dar espaço a outras opções. Amar é viver para o amor.

Se tens saudades minhas, não fiques aí a olhar para a minha foto. Ela é apenas uma tela com a minha imagem. Vem provar o sabor desse sorriso, que te aviva a memória de cada vez que olhas para a foto. Vem perder-te nos braços que estão esticados na tua direção. Não deixes que eles se esqueçam da dimensão do nosso abraço.

Faz o sonho acontecer. Enterra os fantasmas no jardim da tristeza. Vem ter comigo. Eu digo-te ao ouvido como podemos acabar com as tuas saudades.

Sim, eu digo-te, mas é segredo. Só pode ser dito ao ouvido. Vem, vamos acabar com as tuas saudades. Vamos viver as nossas realidades.

Sou tua. Ama-me. Sacia o teu desejo de mim. Alimenta-te desse amor que transborda de ti. Serei tua. A tua companheira nessa paixão que te atacou como se fosse uma tempestade. Serei capaz de morrer por ti. De morrer de amor por ti. O amor é isso mesmo. Ser capaz de morrer, só para não te perder.

Sou tua. O amor é tudo o que temos. É esta fome de que sofremos. A minha vida é o sonho de a partilhar contigo. O desejo de que me aqueças nos dias frios e me arrefeças nas noites escaldantes. Sou tua. Sou o vento forte que sopra sobre as tuas emoções. A brisa que te gela o corpo e que te faz implorar pelo calor da minha pele.

Sim, eu sou a eterna tempestade que te atormenta. Sou como que um vulcão. Tudo em mim é mau tempo. A minha alma é um mar revolto, onde as ondas da paixão são o único alimento deste corpo.

E eu estou grávida do amor que sinto crescer dentro de mim, este furação que chama pelas tuas mãos. É como dar vida a um desejo, que faz bater o teu coração a esse ritmo tão acelerado. Uma paixão que tu não sabes calar e que eu só quero aproveitar.

Tens saudades minhas? Então, porque esperas? Pára de olhar para a foto. Ganha coragem e viaja até aos meus braços.



@angela caboz
           

Sem comentários:

Enviar um comentário